Representante de Rhode Island, nos EUA, sugere impostos para jogos violentos !!

Um representante de Estado em Rhode Island, nos Estados Unidos, propôs uma legislação para introduzir uma taxa nos jogos com conteúdos para adultos. A ideia de Bobby Nardolillo é incluir uma taxa de 10% em todos os jogos que recebam a classificação “M (Mature)” do ESRB, o orgão que atribui classificações etárias aos jogos lançados nos Estados Unidos.

https://i0.wp.com/images.eurogamer.net/2018/articles/2018-02-22-16-47/28279832_1729490233777662_1090711699749963268_n.jpg?resize=799%2C826

O dinheiro recebido da taxa será encaminhado para as escolas, para que elas possam financiar programas de aconselhamento e de saúde mental. A proposta da legislação surge poucos dias após mais um tiroteio em uma escola dos Estados Unidos e  no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, relacionou os jogos violentos aos tiroteios em massa que têm assolado o país nos últimos anos.

Em reunião com o Procurador Geral da Flórida, Pam Bondi, Trump declarou: “Estou ouvindo cada vez mais sobre pessoas vendo o nível de violência em games moldando os pensamentos dos jovens”. Trump foi mais além, e também disse que filmes violentos podem levar a juventude a cometer atos impróprios. “Você vê estes filmes, e eles são tão violentos que uma criança pode ver o filme pode até não ter sexo envolvido, mas há mortes envolvidas, e talvez precisemos colocar uma classificação indicativa para isso.”

Lembrando que atualmente nos EUA, os sistemas de classificação indicativa para filmes e games são organizados pelas próprias indústrias de cinema e de jogos eletrônicos: a MPAA, para a primeira; e a ESRB, para a segunda. “Existem evidências que as crianças expostas a jogos violentos com uma certa idade agem de forma mais agressiva do que aqueles que não são,” disse Bobby Nardolillo. “Essa legislação daria às escolas recursos adicionais para ajudar os estudantes com isso de uma forma positiva”.

“O nosso objetivo é tornar todas as escolas em Rhode Island seguras e em lugares calmos para os estudantes aprenderem. Ao oferecermos às crianças os recursos para gerirem a sua agressão, podemos assegurar um amanhã mais seguro.” O problema na argumentação e na lógica de Bobby Nardolillo é assumir que existe uma ligação direta entre jogos violentos e tiroteios nas escolas. Calcula-se que apenas 20% dos responsáveis por tiroteios nas escolas tenham jogado esses jogos, segundo aponta o USA Today.

Compartilhar