segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Quantic Dream vem a público e nega acusações !!

David Cage e Guillaume de Fondaumiere, da produtora Quantic Dream, negaram as alegações publicadas na imprensa francesa durante o fim de semana, onde o estúdio era acusado de ter uma cultura pouco saudável, incluindo membros da equipe que trabalhavam em demasia, piadas sexistas e racistas, e que eles como indivíduos tinham tido comportamentos impróprios com a equipe.

https://thumbs.candybanana.com/2tEBidEWI3pvY_ea6n8og60128E=/850x/https://s.candybanana.com/images/7279/85cf7a7f-c0de-4264-a5c1-397b79ea1ca2_DavidCage.jpg

As alegações em questão, citadas pelas publicações LeMonde, Canard PC e Mediapart, incluem entrevistas com ex-trabalhadores que descrevem a cultura praticada no estúdio como “tóxica” e que Cage exige longas horas de trabalho do seu staff e, alegadamente, não escuta o que os membros da equipe têm a dizer. Além disso, de Fondaumiere é acusado de assediar o staff nas festas organizadas na empresa. Guillaume de Fondaumiere nega categoricamente essas acusações. “É absolutamente falso,” comentou. “Nada disso aconteceu em qualquer evento noturno”. 

Cage é acusado de não levar em consideração os sentimentos dos membros femininos da equipe e, aparentemente, é mencionado internamente como “Paizinho”, “Deus” e “Rei do Sol”. Os relatos mencionam ainda piadas homofóbicas e racistas entre as equipes e a gestão. Como resposta incluída no artigo do Le Monde, a dupla disse que foram “surpreendidos” e “chocados” pelo que classificam como “devaneios” de antigos funcionários do estúdio, que importa não esquecer ganhou reconhecimento sobretudo em títulos exclusivos PlayStation, como Heavy Rain e Beyond: Two Souls.

“Negamos categoricamente estas alegações,” pode-se ler em um comunicado publicado ontem pela Quantic Dream no Twitter. “A Quantic Dream apresentou uma queixa há vários meses e mais se seguirão. Convidamos quem estiver interessado a ler a resposta do nosso Comitê Representativo dos Funcionários e da Saúde e Segurança às questões enviadas pelos jornalistas antes da publicação. Conduta e práticas inapropriadas não têm lugar na Quantic Dream”. Uma das áreas das alegações refere-se a várias imagens trabalhadas no Photoshop que ilustram vários “colaboradores” da Quantic Dream em posições sexuais. Estas imagens, que no total são centenas, também contêm várias referências a calão homofóbico e sexista. 

“Querem falar sobre homofobia? Eu trabalhei com a Ellen Page, que luta pelos direitos LGBT,” disse Cage. “Querem falar sobre racismo? Eu trabalhei com Jesse Williams, que luta pelos direitos civis nos EUA… Julguem-me pelo meu trabalho”.